Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

A ilusão de uma vida Zen

3333333333333.jpg

Um dos grandes benefícios, a meu ver, do Yoga é a forte capacidade de reduzir o stress, reduzir sintomas de depressão leve e ansiedade. Esta capacidade já foi demonstrada pela ciência e se falar com qualquer praticante habitual de Yoga este irá confirmar na primeira pessoa.

 
 

Este, é um tema que me é querido. Foi também numa fase muito stressante da minha vida que decidi experimentar pela primeira vez uma aula de Yoga.

 
 

No entanto tenho receio de que com este tornar o stress o mal do século (que em parte não o deixa de ser) podemos (eu própria) cair aqui numa ilusão e utopia que o saudável e o ideal é não sentirmos stress, ou outras emoções consideradas negativas. Isso não pode ser mais errado!

 
 

Num estudo onde a metade dos participantes foram explicados os efeitos negativos do stress para a saúde, quando exposto a uma situação de stressante, demonstraram um maior nível de hormonas do stress do que a outra metade dos participantes expostos à mesma situação mas sem que lhes tenha sido dada qualquer explicação. Portanto, por vezes, a convicção de que o stress é prejudicial à saúde pode fazer com que ele próprio se torne mais prejudicial.

 
 

Gosto especialmente de uma frase proferida por Gautama Buddha, pela sua simplicidade e verdade!

 

A vida é sofrimento.

 

Efetivamente sim, a vida é sofrimento, não constante, tal como a felicidade, também não é constante. São ciclos que se abrem e fecham e dão lugar a outros.

 
 
 

Todos nós já experimentamos um leque variadíssimo de emoções, sentimentos e estados. Dos mais agradáveis aos mais desagradáveis o que demonstra que este espectro faz parte da vida e daquilo que somos. Todas as emoções fazem parte do Ser humano e o stress foi e não deixa de ser uma excelente forma de sobrevivência e multiplicação da nossa espécie.

 
 

Um mês após o nascimento da minha filha, na consulta com a pediatra e na eminência de uma depressão pós parto, questionei a médica porque a bebé chorava tanto (Refluxo oculto, na altura ainda não tinha sido diagnosticado). A pediatra percebendo a minha angustia questionou-me. "Mas não é professora de Yoga?"

 
 

Podemos cair neste erro, de achar que se praticarmos Yoga, meditação ou outro tipo de atividade mindfull conseguimos lidar com tudo, não sentimos stress, somos pessoas tranquilas a todo o momento e perante qualquer adversidade. Este pode ser um lugar perigoso que não quero, de todo, perpetuar quando escrevo aqui no blogue sobre o Yoga e os todos seus benéficos.

 
 

O Meu Yoga que tanto amo e difundo pelo maior número de pessoas que posso, não é uma fuga à realidade, é uma forma saudável de manutenção de estados de bem-estar e um promotor positivo para estados de desequilíbrios que surgem nas vidas de todos nós!

 

Namastê!

O Yoga, o Minimalismo e Eu

_DSC0934.jpg

Já fez contas ao dinheiro que gasta todos os meses em objetos, roupas, sapatos, entre muitas outras coisas das quais não precisa? Já fez contas ao tempo que perde na manutenção, limpeza e arrumação desses mesmos objetos dos quais não precisa?

 

Para quem desconhece o conceito de minimalismo não é mais que reduzir aquilo que é realmente necessário e que acrescenta valor as nossas vidas. Desde objetos, as relações, aos compromissos, as emoções ou aos pensamentos.
 
 
Vivemos numa época de consumo e devido a constante publicidade é despertado em nós uma necessidade de TER, no entanto mesmo após termos tantas coisas em nossas vidas, acabamos sempre com a sensação que tudo nos falta.
 
 
O minimalismo entrou na minha numa altura em que fiquei, por opção própria, desempregada. Era uma grande consumidora sobretudo de roupa e sapatos e no primeiro dia em que fiquei em casa sem emprego, a minha grande questão era, como vou agora comprar roupa nova e sapatos novos? Absolutamente ridículo, eu tinha o suficiente para manter as minhas necessidades básicas satisfeitas pelo tempo suficiente para encontrar um novo emprego, porque havia de estar preocupada em comprar sapatos novos?
 
 
Foi por esta altura que "descobri" o minimalismo e consegui fazer, de imediato, um paralelismo com o Yoga, que já fazia parte da minha vida.. Se existe prática minimalista, essa prática é o Yoga, não precisamos de nada, basta o corpo, a mente presente e a respiração. Conseguimos trabalhar tudo, parte muscular, parte fisiológica, sistema imunitário, emoções, bem-estar, isto tudo em qualquer lugar, em qualquer altura apenas usando o nosso próprio corpo e um tapete de Yoga.
 
 
O Yoga ensina a parar, ensina a gratidão, ensina como as coisas simples nos podem realmente fazer felizes. No minimalismo aprendemos a valorizar aquilo que temos e a ter uma maior consciência do que realmente nos faz falta desapegando daquilo de que não precisamos.
 
 
Não foi só eu que descobri estes pontos em comum, existem inúmeros Blogues cujos temas se centram exclusivamente no Yoga e/ou na meditação e no minimalismo.
 
 
Estas duas filosofias ensinaram-me que já tenho tudo aquilo que preciso para ser feliz!
 
 
Namastê!