Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

Natal - Espírito consumista

Estamos em dezembro e o acontecimento mais marcante deste último mês do ano é, sem dúvida, o Natal. Uma festividade cristã celebrada por grande parte dos portugueses.

 

Contudo, a realidade é que ano após ano o seguinte cenário repete-se: Listas de compras, correria as lojas, centros comercias completamente lotados, filas nas lojas, nos supermercados, no trânsito...

 

Algures por este caminho nos perdemos, aquilo que seria uma celebração cristã passou a ser um negócio que incentiva o consumismo desenfreado, tornando o mês de dezembro um dos mais lucrativos do ano.

 

joanna-kosinska.jpg

 

No outro dia ouvia alguém na rua a dizer “nesta época do ano, em comida e prendas gastamos 3 ordenados!”. Vale mesmo a pena? O que nos leva a gastar desta forma? É a falsa sensação de quanto mais melhor, da abundância e excesso que somos levados a acreditar ser sinónimo de felicidade.

 

E para quem não consegue alcançar estes padrões de felicidade aliados ao consumo? O Natal representa um momento de tristeza ou até mesmo de depressão.

 

Mas o Natal não é um festejo comercial é uma celebração da família. O mais importante é ter família e poder estar com essas pessoas!

 

Todo este gasto, acaba por se traduzir numa felicidade muito volátil. Rapidamente termina o ano, aquele presente que nos deram esta em um qualquer canto da casa, as nossas carteiras estão mais leves e os aumentos, característicos, do novo ano trazem-nos de volta a realidade.

 

Até que ponto vale apena apostar a felicidade numa caixa embrulhada com papel colorido e um laço no topo?

Natal sem excessos

Esta é uma época para a qual temos tendência para cometer alguns excessos.

brigitte-tohm.jpg

Presentes de Natal

Um deles são os presentes de natal. Já reparou que muitas vezes recebemos coisas que não gostamos, que não têm qualquer utilidade, que acabam em um qualquer canto da casa a ganhar pó. Para oferecer um presente realmente especial a alguém temos de conhecer bem essa pessoa. Agora pense, precisa mesmo de oferecer presentes a todas as pessoas que conhece? Porque não limitar e presentear apenas a família mais próxima, aqueles que realmente são especiais para si. 

 

Papel de embrulho

Continuando nos presentes de natal. Recorda-se de como ficam os lixos públicos no dia de natal? A abarrotar de  papel de embrulho e todos os outros desperdícios desta época. Precisamos mesmo de embrulhar todas as prendas? Porque não reutilizar sacos de papel, embrulhar as suas prendas em papel de jornal ou simplesmente não embrulhar. 

 

Jantar de Natal

Quem não adora aquele mesa de natal recheada de iguarias. Algumas das quais só comemos mesmo nesta quadra e tantas recordações nos trazem. Ao querermos fazer tudo, acabamos uma tarde inteira na cozinha e preparar 5 entradas, 3 pratos principais e 4 sobremesas. Precisa assim de tanta comida para apenas uma refeição? Porque não fazer, apenas, aquele prato especial que todos adoram. Limite a sua ceia de natal ao essencial. Desta forma, também evita cometer outro tipo de excessos que vão acabar por lhe "sair caros".