Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

Ter | 31.08.21

Slow Living - Alentejo

Vânia

ovelhas.jpg

A minha mudança da capital para uma Vila Alentejana prendeu-se com vários motivos, mas um deles que queria destacar, foi a necessidade de estar num lugar em equilíbrio com o meu estilo de vida Slow. Slow Living ou viver devagar é um movimento minimalista que tem como propósito viver uma vida de forma mais lenta, lenta não no sentido de preguiça ou de fazer menos coisas, mas sim de fazer as coisas com tempo, com propósito, estando presente. 

 

Todos nós conhecemos o discurso ou a sensação de que o dia deveria ter mais horas para fazer tudo aquilo que queremos, devemos ou deveríamos fazer. Parece que vivemos sempre em contra relógio e enquanto isso, os anos passam, os momentos passam, e nós um dia olhamos ao espelho e nem nos reconhecemos. 

 

O meu viver devagar começou ainda quando vivia na cidade, pois acredito que sendo um desejo nosso, o facto de viver numa cidade não o impede. Contudo também não permite viver em totalidade uma vida mais desacelerada porque estamos inseridos numa dinâmica urbana e temos de muitas vezes de andar dentro do ritmo. 

 

Para mim estes 4 grandes factores, que descreverei de seguida, foram aqueles pontos chave que a vida no Alentejo ajudou a equilibrar como o meu desejo e estilo de vida Slow. Factores que só aqui ou em lugares semelhantes é possível ter. No entanto, reforço, que nem todos precisamos "fugir" da cidade para ter um estilo de vida mais minimalista ou desacelerado, e nem todos nos adaptamos a este viver mais devagar, e a diversidade de estilos de vida é importante e deve ser valorizada, pois não existe certo ou errado no que diz respeito a forma como escolhemos viver. 

 

Silêncio

Onde vivo actualmente, quando pela manhã abro a janela, apenas ouço pássaros, ovelhas e as folhas das árvores. Este silêncio ou estes sons da natureza promovem uma enorme tranquilidade, reduzem o stress, e até melhoram o sistema cognitivo e o humor, segundo um estudo de Abril de 2021 publicado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” e que posso comprovar diariamente. Todo o silêncio que me rodeia ajuda-me no foco daquilo que é mais importante porque não tenho fora do meu controlo factores distractivos. A tranquilidade do silêncio é algo que valorizo e me permite viver em tranquilidade e de forma equilibrada. 

 

Trânsito

O trânsito, ou melhor a ausência dele. Este foi um dos enormes factores de mudança para uma vida mais desacelerada. Não ter hora de ponta nem trânsito para me deslocar a qualquer lado, retira da rotina esta preocupação e este tempo perdido, assim como o stress e , por vezes, o desespero de estar preso no trânsito. É uma mudança e um aumento tremendo na qualidade de vida e faz com que qualquer deslocação necessária ou apenas por lazer seja feita tranquilamente a qualquer hora, sem pressas. 

 

Natureza

Viver a dois passos do campo, da natureza, tem vantagens que eu própria antes de vir para cá não entendia. Estar em contacto diário com a natureza para além de todos os benefícios psicológicos que trazem ao ser humano, seja pela calma que uma paisagem verde transmite, seja pela tranquilidade, permitir respirar ar mais puro entre outros, viver em conjunto com o mundo natural, do qual nós fazemos parte, permite-me ter consciência dos ciclos da natureza. Para além de me aproximar, presenciar e ter noção destes ciclos, faz com que eu própria esteja em sintonia com estes. Dou o exemplo das Oliveiras, a árvore que existem em maior quantidade. Já presenciei o rebentar da flor na primavera a sua queda no final desta, e o inicio do crescimento da azeitona. Em breve será época de apanhar e fazer o azeite. Presenciar os ciclos e fazer parte deles, saborear os legumes e fruta da época, observar a flor, a queda e o crescimento, tem sido uma experiência sensorial bastante enriquecedora. Esta sintonia deu-me uma noção de tempo diferente, e perceber que tudo demora o seu tempo, tudo precisa do seu tempo é importante. A natureza vive desacelerada e nós podemos aprender algo com ela. 

 

Espaço

A Vila onde vivo tem uma área de 26 quilómetros quadrados e uma população de cerca de 1200 habitantes. Portanto é espaço suficiente para a quantidade de habitantes o que faz com que não haja problemas relacionados a espaço. Desde estacionamento, trânsito, espaço para as crianças brincarem, mesa num café ou filas na mercearia. Acrescentando ainda a vantagem que existe espaço suficiente para manter as distâncias de segurança com as quais já nos familiarizamos no último ano e meio. Viver num sitio arejado em contraste com o viver na "confusão" ajuda-me a centrar no meu estilo de vida desacelerado e tranquilo que tanto procurava.

 

Estes foram para mim os 4 grandes motivos que se alinharam a ajudaram ao meu estilo de vida desacelerado. E tu também segues este movimento? Como desaceleras a tua vida?

Seg | 30.08.21

Deve-se praticar Yoga todos os dias?

Vânia

Hatha_yoga_in_Japanese_@_Semperviva_(4440276422).j

Noto que existe muito a ideia que o Yoga deve ser uma prática diária. Concordo, quem pratica Yoga de coração fá-lo no tapete e fora dele, no seu dia a dia e por isso o Yoga é uma constante na sua vida.

 

Agora, quando falamos na prática completa de pranayama, asana, relaxamento e/ou meditação, fazê-lo todos os dias, tendo em conta todas as outras obrigações, compromissos e responsabilidades do quotidiano pode ser, para a maioria, de nós impossível. Estar a nos exigir uma prática diária no meio de tantas responsabilidades pode ser mais prejudicial que benéfico, a meu ver.

 

Um estudo realizado em 2003, para avaliar os efeitos do yoga sobre o stress, na Alemanha pelo médico e naturopata Andreas Michalsen, chegou a este número, 90!

 

O estudo foi realizado com 90 mulheres (o estudo solicitava pessoas que se sentiam stressadas diariamente e a grande maioria que respondeu ao inquérito foram mulheres) em que metade delas praticou yoga 1x/semana numa aula de 90 minutos durante 3 meses ao passo que a outra metade não praticou. No final dos 3 meses foi analisado através de um questionário os níveis de stress, o estado psicológico e o nível de cortisol (hormona do stress) na saliva das participantes após as práticas. As praticantes de Yoga demonstraram clara diminuição do stress e redução de quadros de depressão ou ansiedade assim como melhoria do humor. Também verificou-se a redução de dores de cabeça e dores nas costas.

 

Perante os resultados foi realizado um segundo estudo mais abrangente com 72 mulheres divididas em 3 grupos. Desta vez havia um terceiro grupo que iria frequentar 2 aulas de Yoga por semana de 90 minutos cada.

 

O resultado foi que este grupo não demonstrou melhorias face ao grupo que apenas praticou 1x/semana. Verificou-se até que a obrigação de frequentar uma segunda aula de Yoga durante a semana, face as tarefas diárias e ao pouco tempo que muitas mulheres tinham demonstrava ser até um fator de stress adicional.

 

Claro que isto é apenas um estudo, mas a meu ver, não acho que para a maioria de nós praticar diariamente seja de todo uma possibilidade. 90 minutos demonstrou ser o suficiente para obter os resultados anti stress que qualquer pessoa pode beneficiar.

 

Pode fazê-lo num bloco de 90 minutos ou distribuir em sessões mais curtas ( duas de 45 minutos ou 3 de 30 minutos) e assim não precisa de despender de um maior intervalo de tempo a cada prática. Tudo isto dependerá da rotina de cada pessoa e se pratica em casa ou em aulas de grupo ou de forma mista. Mas 90 minutos semanais parecem-me uma meta bastante razoável para começar a obter os benefícios de bem estar que o Yoga proporciona.

 

Namastê!

Qui | 26.08.21

Flexibilidade, quebrando mitos!

Vânia

444444444444.jpg

Chega muitas vezes até mim este tipo de afirmações. "Não experimento praticar Yoga porque tenho pouca flexibilidade"!

 
Bem, primeiro deixaria de ir ao ginásio ou deixaria de correr porque não tem força ou resistência? Ou se fosse uma coisa que realmente queria experimentar o faria na mesma? Com treino e dedicação vai ganhar, precisamente, mais força e resistência indo ao ginásio e correndo. No Yoga é igual.
 
Por isso, começo já por quebrar este mito! O Yoga não é só para pessoas flexíveis, nem tão pouco ser flexível é um pré requisito. O único pré requisito para praticar Yoga é querer fazê-lo. Uma maior flexibilidade será um (entre muitos) dos benefícios que se obtém com a prática continuada.
 
E daqui parto já para quebrar o segundo mito, no Yoga não se trabalha apenas e exclusivamente flexibilidade sobre a forma de alongamentos. O Yoga é uma prática muitíssimo completa onde se trabalha inúmeros fatores tais como, força, equilíbrio, respiração correta, controlo dos pensamentos, foco e concentração, entre outras coisas. Não esquecendo que se trata de uma atividade de união corpo mente o que a torna ainda mais completa e abrangente.
 
Outro mito, se acha que nunca vai conseguir fazer aquelas posturas muito acrobáticas e extremamente exigentes que vê em fotos de yogis altamente flexíveis, fique descansado/a. Primeiro, é possível que as venha a conseguir fazer, com treino e dedicação e se anatomicamente o seu corpo o permitir, no entanto não precisa de fazer posturas desse género para obter todos os benefícios desta prática. Asana, aparentemente, simples ou menos exigentes são igualmente benéficos e mesmo praticantes avançados realizam posturas simples ou ditas fáceis (conceito que dependerá de pessoa para pessoa). Cada postura tem o seu objetivo e vantagens face a outros. Portanto não precisa de ser acrobata para ser praticante de Yoga.
 
Para além disso ser flexível é um fator de saúde e bem estar, trás vantagens e benefícios.
 
 
Artigo relacionado
Todos os benefícios de uma boa flexibilidade para a sua saúde!
 
 
Outro receio que por vezes surge, sobretudo, aos novos praticantes é, perante a pouca flexibilidade, não serem capazes de realizar uma determinada postura que seja pedida em aula, quer presencial quer online. Outro fator que não merece preocupação porque para a maioria das posturas existem versões mais simples ou menos exigentes. É possível até adaptar uma postura a cada individuo conforme as suas limitações, dificuldades ou patologias. Se não consegue determinada postura haverá outra que tem benefícios iguais ou muito similares que conseguirá fazer, cabe ao instrutor/a dar sempre outras opções.
 
Não ser flexível já não serve de desculpa para não experimentar a sua primeira aula de Yoga ou para não continuar a praticar.
 
 
Artigo relacionado
4 Dicas simples para aumentar a sua flexibilidade!
 
 
Acredite, flexibilidade será um dos muitos benefícios que irá obter desta prática milenar. Vale a pena praticar!
 
Namastê!
Qua | 25.08.21

Minimalismo digital

Desafio destralhe digital

Vânia

train-track-2507499 (1).jpg

Tenho vivido numa luta interior no que diz respeito as redes sociais. Estive alguns anos fora, e apesar dos comentários de amigos e colegas de trabalho que achavam que a falta de uma rede social era como a falta de um cartão de identificação nunca senti que me fazia falta. (Seres sociais, Redes sociais) Contudo quando comecei a dar aulas de Yoga achei que seria conveniente ter um meio de divulgação do meu trabalho.

 

Comecei por ter apenas uma página profissional mas acabei por me render e também já tenho paginas pessoais por esses facebook e Instagram fora. 

 

Na verdade percebi o quão viciante estas aplicações podem ser, qualquer momento de tédio dou por mim a lamber o feed de uma destas redes sociais sem qualquer objetivo. Por vezes pego no telemóvel só porque sim, bastam 10 segundos de tédio. Nem vou referir a exposição constante a encenações de vidas que nos fazem acreditar que existe algo de errado com a nossa. Mais que isso considero que este tipo de aplicações são extremamente aditivas e são elaboradas com esse propósito. 

 

Não estou com isto a negar as vantagens, longe disso, o acesso que hoje temos à informação é incrível e as redes sociais já nos permitiram coisas muito boas. 

 

Mas no seguimento do meu desconforto com algumas das desvantagens da tecnologia decidi aderir ao desafio proposto no post do Blog Ana, Go Slowly, Desafio destralhe digital. Consiste basicamente em fazer uma espécie de detox/destralhe digital durante 30 dias. As regras serão definidas por cada um de nós, quer em relação as apps que serão proibidas durante os 30 dias, quer em relação as que vamos continuar a utilizar quando e por quanto tempo. Depois é escolher os período de 30 dias e seguir o desafio. 

 

Penso que este período de tempo, para mim, vai me permitir perceber quanto tempo gasto neste aplicações e como posso usar esse tempo para outras coisas na vida real. Vai ajudar a clarificar quais são as ferramentas que a nível profissional ou pessoal acrescentam valor e me auxiliam no caminho que pretendo seguir. 

 

Acima de tudo acho que me vai permitir ter a consciência do quão viciantes podem ser as redes sociais e outras aplicações e de como por vezes são elas que nos usam e não nós que as usamos!

 

Iniciei o meus 30 dias hoje, no final dos 30 dias farei um balanço dos mesmos.

 

Quem mais vai entrar neste desafio?

Ter | 24.08.21

Todos os benefícios de uma boa flexibilidade para a sua saúde!

Vânia

1vbc.jpg

A flexibilidade é normalmente uma das primeiras dificuldades que os iniciantes sentem nas aulas de Yoga. O trabalho de alongamentos por si só não é habitualmente realizado em outras modalidades, sendo utilizado apenas no final de um exercício físico intenso.

 
É por isso uma dificuldade muito comum e não deve de ser um motivo para não começar a praticar Yoga, se assim o entender, pois tal como a força ou a resistência, pode também ser melhorada.
 
Claro que existe quem tenha naturalmente uma maior flexibilidade comparativamente com outras pessoas mas cada um deve de trabalha-la dentro das suas limitações anatómicas e morfológicas.
 
Ter muita flexibilidade pode até ser útil para impressionar em alguns asana mais exigentes mas o verdadeiro benefício dos alongamentos é o estiramento que provoca no sentido contrário ao da contração do músculo o que vai aumentar, não só, a sua definição como a força de todas as suas fibras.
 
A flexibilidade a par da força é um parâmetro de saúde e qualidade de vida que deve ser tido em consideração. Gradualmente ao longo das nossas vidas vamos perdendo a amplitude dos movimentos e, por isso mesmo, a flexibilidade deve de ser trabalhada permitindo a manutenção da nossa agilidade e facilidade na realização de tarefas diárias ao longo de toda a nossa vida.
 
Os alongamentos previnem, sobretudo, lesões mas também são um tipo de exercícios que abrem espaço para uma respiração tranquila e para o relaxamento mental, tão característicos das práticas de Yoga.
 
 
Quer mais alguns motivos para querer ter uma boa flexibilidade? Ora Veja:
 
 
Melhora a postura
Músculos relaxados e alongados permitem que coloquemos a nossa coluna bem alinhada. Repare que quando esta tenso/a ou preocupado/a tem a tendência a se curvar e colocar os ombros rodados para dentro quase que numa posição defensiva. Os alongamentos vão permitir contrariar esta posição e fazer a manutenção da postura correta e saudável.
 
 
Melhora a função respiratória
Para a inspiração e expiração podem ser solicitados até 22 músculos, impedir que existam tensões ou contrações neste conjuntos de músculos irá contribuir para uma respiração mais eficiente e uma mente mais clara.
 
 
Previne lesões musculares e articulares
O músculo contraído pouco trabalhado ou fatigado pode conduzir a lesões quer musculares quer articulares.
 
 
Aumenta a amplitude articular
As articulações são suportadas por músculos, se estes tiverem um alongamento facilitado para treino de flexibilidade as articulações podem ter uma maior amplitude.
 
 
Promove o alívio de tensões musculares
O alongamento contraria as tensões musculares que se acumulam devido fatores emocionais e psicológicos. Apesar de não estarmos a fazer uma atividade que exige forças o stress pode levar a que estejamos a contrair determinados grupos musculares desnecessariamente levando a fadiga.
 
 
Facilita a realização de tarefas do quotidiano
Ser flexível vai lhe permitir apanhar aquele objeto do chão mais facilmente ou tirar aquele livro na estante mais alta. Ser mais flexível é muito benéfico para a sua coluna e esta vai ajudar em todas as tarefas do quotidiano até as mais simples.
 
 
E então ficou convencido/a? Vamos trabalhar a nossa flexibilidade?
 
Namastê
Seg | 16.08.21

A ilusão de uma vida Zen

Vânia

3333333333333.jpg

Um dos grandes benefícios, a meu ver, do Yoga é a forte capacidade de reduzir o stress, reduzir sintomas de depressão leve e ansiedade. Esta capacidade já foi demonstrada pela ciência e se falar com qualquer praticante habitual de Yoga este irá confirmar na primeira pessoa.

 
 

Este, é um tema que me é querido. Foi também numa fase muito stressante da minha vida que decidi experimentar pela primeira vez uma aula de Yoga.

 
 

No entanto tenho receio de que com este tornar o stress o mal do século (que em parte não o deixa de ser) podemos (eu própria) cair aqui numa ilusão e utopia que o saudável e o ideal é não sentirmos stress, ou outras emoções consideradas negativas. Isso não pode ser mais errado!

 
 

Num estudo onde a metade dos participantes foram explicados os efeitos negativos do stress para a saúde, quando exposto a uma situação de stressante, demonstraram um maior nível de hormonas do stress do que a outra metade dos participantes expostos à mesma situação mas sem que lhes tenha sido dada qualquer explicação. Portanto, por vezes, a convicção de que o stress é prejudicial à saúde pode fazer com que ele próprio se torne mais prejudicial.

 
 

Gosto especialmente de uma frase proferida por Gautama Buddha, pela sua simplicidade e verdade!

 

A vida é sofrimento.

 

Efetivamente sim, a vida é sofrimento, não constante, tal como a felicidade, também não é constante. São ciclos que se abrem e fecham e dão lugar a outros.

 
 
 

Todos nós já experimentamos um leque variadíssimo de emoções, sentimentos e estados. Dos mais agradáveis aos mais desagradáveis o que demonstra que este espectro faz parte da vida e daquilo que somos. Todas as emoções fazem parte do Ser humano e o stress foi e não deixa de ser uma excelente forma de sobrevivência e multiplicação da nossa espécie.

 
 

Um mês após o nascimento da minha filha, na consulta com a pediatra e na eminência de uma depressão pós parto, questionei a médica porque a bebé chorava tanto (Refluxo oculto, na altura ainda não tinha sido diagnosticado). A pediatra percebendo a minha angustia questionou-me. "Mas não é professora de Yoga?"

 
 

Podemos cair neste erro, de achar que se praticarmos Yoga, meditação ou outro tipo de atividade mindfull conseguimos lidar com tudo, não sentimos stress, somos pessoas tranquilas a todo o momento e perante qualquer adversidade. Este pode ser um lugar perigoso que não quero, de todo, perpetuar quando escrevo aqui no blogue sobre o Yoga e os todos seus benéficos.

 
 

O Meu Yoga que tanto amo e difundo pelo maior número de pessoas que posso, não é uma fuga à realidade, é uma forma saudável de manutenção de estados de bem-estar e um promotor positivo para estados de desequilíbrios que surgem nas vidas de todos nós!

 

Namastê!