Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

Ter Menos Ser Mais

Encontre nas coisas simples a liberdade, a felicidade e a intencionalidade da vida

Desafio dos 31 dias

Muitas vezes passamos o mês de dezembro a prometer a nós mesmos aquilo que vamos mudar para o novo ano. E se em vez disso, começarmos já? Se cada dia deste mês fizermos uma pequena mudança? 

Miesha Moriniere.jpeg

É esta a minha proposta. Todos os dias fazer uma mudança, um gesto para simplificar o nosso dia, a nossa vida ou a nossa casa? Que dizem, vamos a isto? Aqui ficam 31 dicas:

 

Dia 1 - Ofereça/venda/deite fora um objeto da cozinha desnecessário;

Dia 2 - Faça as suas refeições sem consultar dispositivos eletrónicos;

Dia 3 - Arrume os seus cosméticos;

Dia 4 - Faça o seu guarda-roupa cápsula;

Dia 5 - Passe um dia sem ver televisão;

Dia 6 - Agradeça por 5 coisas boas que tem na sua vida;

Dia 7 - Limpe a sua caixa de email;

Dias 8 - Faça uma rotina relaxante antes de dormir;

Dia 9 - Faça uma caminhada;

Dia 10 - Arrume uma gaveta;

Dia 11 - Não use dispositivos eletrónicos antes de dormir;

Dia 12 - Reflita sobre as últimas 3 compras que fez;

Dia 13 - Não gaste dinheiro por um dia;

Dia 14 - Desligue as notificações do seu telemóvel;

Dia 15 - Não consulte redes sociais ou email durante um dia;

Dia 16 - Analise os seus hábitos;

Dia 17 - Passe um dia sem reclamar;

Dia 18 - Não use maquilhagem;

Dia 19 - Organize o seu computador pessoal;

Dia 20 - Não planeie nada para este dia; 

Dia 21 - Elimine uma despesa;

Dia 22 - Deite fora/venda/ofereça as decorações de natal que não usa;

Dia 23 - Tire 10 minutos para arrumar todos os objetos fora do lugar;

Dia 24 - Separe uma caixa para colocar objetos para doar;

Dias 25 - Diga aquela pessoa o quanto é importante para si;

Dia 26 - Faça uma limpeza ao seu frigorífico;

Dia 27 - Inicie um hábito saudável;

Dia 29 - Faça algo que anda a bastante tempo a adiar;

Dia 30 - Faça uma tarefa de cada vez;

Dia 31 - Agradeça por todas as coisas boas que lhe aconteceram no ano de 2016.

Dicas para compras mais conscientes

Este texto vai ajuda-lo a tomar uma melhor decisão para fazer compras mais conscientes, responsáveis e minimalistas. Desta forma evita as compras compulsivas das quais pode acabar por se arrepender.

 

kaboompics.com_Minimal eucalyptus arrangement.jpg

 

Vá as compras com tempo e disponibilidade

Evite ir as compras com pouco tempo para tomar as suas decisões. Deve ter disponibilidade para ver vários produtos, comparando preços e qualidade e assim adquirir aquilo que melhor lhe vai servir. Por isso, também, não deve de comprar logo o primeiro produto que ver, até pode fazer uma pesquisa anteriormente para facilitar esta comparação.  

 

 

Aposte na qualidade

Como mencionado anteriormente é importante ter atenção a qualidade daquilo que adquirirmos, obviamente tendo em conta o que podemos pagar. Devemos de nos cercas de coisas que contribuem para a nossa vida e que têm uma boa durabilidade impedindo que, rapidamente, tenhamos de fazer um novo investimento

 

  

Pense no futuro

Algumas coisas que adquirimos precisam de muita manutenção, como por exemplo roupa ou eletrodomésticos. O objetivo é simplificar a nossa vida e portanto pense a longo prazo. Confirme se aquilo que vai adquirir vai simplificar a sua vida ou se tem disponibilidade para dar a manutenção que aquele item requer.

 

 

Evite o desperdício

Não se esqueça que somos responsáveis pelos resíduos que produzimos. Uma vida mais simples é muito mais alinhada com os nossos valores ambientais - uma vida mais simples significa uma pegada ecológica menor.

 

The true cost

Hoje em dia estejamos a adquirir 400 vezes mais roupa do que há 20 anos atrás. Já se perguntou porquê? Para entender este aumento no consumo de roupa temos que decifrar o conceito de fast fashion.

 

social_facebook_post_large.jpg

Fonte: truecostmovie

Antes existiam duas épocas por ano, Primavera/Verão e Outono/Inverno. Corríamos para as lojas para ver as novidades da nova estação a cada 6 meses. Hoje em dia existem dezenas de micros épocas por ano. Isto faz com que exista uma rápida alteração das tendências(fast fashion), promovendo um maior consumo

 

Muitas vezes aqueles bens que realmente precisamos são demasiados caros mas temos a consolação de poder adquirir uma peça de roupa nova todas as semanas. conseguimos fazê-lo porque os preços praticados são bastante baixos não representando, muitas vezes, o verdadeiro custo de produção e transporte.

 

A questão é como conseguem exercer estes preços baixos? Quem esta a pagar o verdadeiro preço? Em particular estão os trabalhadores destas fábricas que recebem, em média, 3€ por dia e em geral todos nós porque a industria da moda é a segunda mais poluidora do mundo.

 

Estamos a gastar dinheiro que não temos, para comprar coisas que não nos fazem falta. Tentamos obter no consumo uma forma de conforto, de bem-estar e felicidade. Mas nada disto se confirma a longo prazo. É verdade que pode sentir um grande entusiasmo após comprar algo mas, rapidamente, a felicidade esperada não é alcançada.

 

Caso pretendam saber mais sobre este assunto vejam o documentário “The true cost” disponível na Netflix

Guarda-roupa cápsula

40 Peças de roupa

3 Meses

Sem fazer compras

 

Pois bem, o objetivo aqui é simplificar e reduzir, ter um guarda-roupa minimalista. Porque existe uma enorme distância entre aquilo que temos e aquilo que, realmente, precisamos. E aquilo que precisamos pode passar por um guarda-roupa minimalista de 40 peças. 

11050192686_7d3422021d_b.jpg

Estas 40 peças deverão ser aquelas que nós, realmente, adoramos e portanto que nos sentimos bem com elas. Preferencialmente devem de ser peças versáteis, que possam ser conjugadas com várias outras.

 

Os 3 meses representam uma estação do ano, sendo que no final deste período poderá se fazer alterações, substituindo algumas das peças por peças da estação seguinte. Excluídas destas 40 peças estão os acessórios, as malas, roupa de desporto, roupa interior, pijamas e “roupa de andar por casa”.

 

Tendo em conta que este número de peças será o suficiente para uma temporada de 3 mêses, não será necessário adquirir peças de roupa novas.

   

 

Faça o seu guarda-roupa cápsula

Reflita sobre o meu estilo de vida. Precisa de roupas que se adaptem a sua rotina diária, a sua profissão, a sua forma de estar e como gosta de se sentir. 

 

Retire todas as roupas do seu roupeiro e gavetas. Aqui vai conseguir ter uma percessão da quantidade de roupa que efetivamente pussui. Depois escolha as suas 40 peças. para facilitar esta escolha faça-se as seguintes questões:

 

  1. Usei esta peça nos últimos 12 meses?
  2. Atualmente, esta peça encaixa no meu estilo/ forma de estar?
  3. Esta roupa faz-me sentir bem?

 

Se a resposta for positiva a estas 3 questões, então essa peça pode fazer parte do guarda-roupa cápsula. Se alguma das respostas for negativa então essa peça terá outro destino. Aqui é preciso praticar o desapego, não é fácil, é verdade mas é um processo. Não precisa decidir já o que fazer com as roupas que ficaram de fora da cápsula, pode decidir mais tarde o que fazer com elas. É possivel que volte para "resgatar" alguma das peças.

 

No final deste processo vai sentir-se inesperadamente tranquila. Vai reduzir a toma de decisões e o consumo, dando oportunidade para se conetar consiga própria. Vai adquirir uma vida mais simples, focada nas coisas que realmente são importantes.

 

Uma casa minimalista

Pode pensar que ter uma casa minimalista passa por ter todas as paredes brancas, móveis e decorações em tons nude. Mas esta não é a história toda, os minimalistas sabem que ter menos coisas oferece mais espaço para o foco, para a gratidão e favorece uma maior qualidade de vida

 

lhtqjazuprq-breather.jpg

 

Reduza o número de objetos

A nossa casa é o local onde nos devemos sentir melhor. Uma casa cheia de objetos, quer tenham uma função ou sejam apenas decorativos, causa muito ruído visual. Vamos por isso reduzir os objetos que temos em cima dos nosso móveis até ao máximo de 4 por móvel. Faça isto em todas as divisões da sua casa e confirme como todo o ambiente fica mais leve. 

 

Altere os padrões de consumo

Depois desta "limpeza" não vai querer voltar a encher a sua casa, novamente, de coisas das quais não precisa, certo? Pois bem, para isso deverá alterar os seus padrões de consumo. A verdade é que a probabilidade de não precisar de uma determinada coisa que ainda não possui é bastante elevada. Neste sentido, a próxima vez que pretender comprar algo, faça esta questão primeiro “Eu realmente preciso disto?”.

 

Organize diariamente

Agora que já reduziu os objetos expostos em sua casa e as novas aquisições já são pensadas nas suas verdadeiras necessidades, deve, diariamente, manter o seu espaço organizado. Acredite é simples manter um espaço minimalista organizado devido, precisamente, a sua simplicidade. 

 

Ser minimalista

pexels-photo.jpg

É uma forma de estar na vida onde é priorizado aquilo que é essencial, ou seja, aquilo que é realmente indispensável e necessário. O que se mostrar desnecessário e que apenas promove ruído nas nossas vidas, nas nossas casas, no nosso bem-estar deve ser removido, sempre com sabedoria.

 

Aquilo que é considerado indispensável vai depender de cada pessoa, não existe um número de objetos máximos que uma pessoa deve de possuir. Conforme o estilo de vida que cada um tem e conforme aquilo que pretendemos obter com essa forma de estar na vida assim serão as nossas escolhas perante aquilo que realmente consideramos necessário.

 

Numa sociedade cada vez mais focada no consumismo e no materialismo, onde a obtenção da felicidade esta associada aquisição de bens materiais, ser minimalista pode parecer um contra senso.

 

Contudo, e do meu ponto de vista, o minimalismo não rejeita o consumo. Nós precisamos de consumir bens materiais, isso é um facto. Podemos, porém fazer a aquisição destes objetos de forma mais consciente dando intencionalidade aquilo que compramos para as nossas vidas. 

 

Outra ideia errada é que o minimalismo é uma forma de privação ou que quem o aplica é por necessidades económicas. É, apenas uma forma de estar na vida, independentemente das nossas posses. Tudo o que adquirirmos deverá ser o melhor que o nosso dinheiro pode pagar tendo essas aquisições uma necessidade real e uma intencionalidade.

 

Se está satisfeito com aquilo que possui, muito bem, não precisa de começar a deitar tudo fora só porque pretende adquirir uma vida mais simples. Agora se o excesso de coisas que tem na sua vida o estão a sobrecarregar de alguma forma, talvez seja a hora de iniciar algumas mudanças.

 

Porque o minimalismo não se trata apenas de uma moda e sim uma forma de viver mais livre, com mais intencionalidade. Uma forma de ter menos para, viver mais, sorrir mais, amar mais... SER mais!